A morte do resveratrol?

Quantas vezes vocês leu em jornais de grande circulação, blogs e escutou seus professores e nutricionistas falando das propriedades do suco de uva integral e do consumo moderado de vinho tinto? Bem, não sei vocês, mas durante minha formação toda eu ouvi que consumir essas bebidas era uma boa fonte de saúde e longevidade. O responsável por esses benefícios foi chamado de “RESVERATROL”.  (continue lendo… isso é só uma introdução chata para poder te contar um escândalo).

Mas o que é o resveratrol?

É um polifenol encontrado principalmente nas sementes e casca  das uvas vermelhas.

O que ele faz?

Supostamente tal substância pode reduzir os transportadores de colesterol conhecido como LDL e aumentar o HDL. Isso poderia melhorar a saúde vascular e atrasando problemas cardiovasculares e circulatórios. Além disso, alguns estudos mostram relação do resveratrol com a longevidade de animais e humanos.

Isso tudo é o que você já sabia sobre #RESVERATROL.  O que você não sabe, é o que vou te mostrar agora. Um dos maiores contribuintes para a literatura sobre resveratrol se chama Dipack Das, pesquisador da Universidade de Connecticut nos EUA.

Agora te segura para não cair.

Uma investigação de três anos na Universidade de Connecticut, concluiu que um de seus pesquisadores do centro de saúde da Universidade fabricou (falsificou) os resultados de suas pesquisas durante 7 anos. A universidade imediatamente deu início ao processo de demissão do professor Dipak K. Das, que é diretor do Centro de Pesquisa Cardiovascular e um dos professores no departamento de cirurgia do hospital da universidade.  A Universidade já notificou 11 periódicos científicos que publicaram os estudos Das e paralisou todas as pesquisas financiadas externamente em seu laboratório, sendo bloqueados mais de $890,00 milhões de dólares em verbas federais para os projetos ligados ao pesquisador.

Leia também: Nutrição e exercício físico o casamento perfeito.

Como descobriram?

Foram analisados mais de sete anos de trabalhos produzidos pelo laboratório do Dr. Dipak Das e se concluiu que realmente era culpado das 145 acusações de fabricação e falsificação de dados científicos.  A investigação começou depois de uma denúncia anônima de irregularidades de conduta ética em pesquisa em 2008. Há também inquéritos em curso sobre ex-membros do laboratório que supostamente faziam parte do “esquema” de produção de resultados científicos.

Para reforçar a situação desoladora para o coitado do #resveratrol,  estudos recentes questionam as evidências destes benefícios e apontam que eles podem estar restritos a vinhos caseiros ou fabricados seguindo um modo de produção tradicional. Embora os cientistas concordem que o consumo moderado de vinho tinto possa ajudar na prevenção de doenças, há divergências sobre o que realmente está por trás desses benefícios. Roger Corder, da Universidade Queen Mary, de Londres, diz que há pouca evidência sobre a importância do resveratrol. “É um mito dizer que o resveratrol tenha qualquer coisa a ver com os benefícios do vinho tinto à saúde. A maioria dos vinhos tintos contém quantidades insignificantes de resveratrol e aqueles que possuem um pouco não contêm o suficiente para fazer qualquer efeito”.

Qual a opinião do pesquisador?

Segundo o pesquisador, o segredo pode estar nas sementes da uva. Quando as uvas são fermentadas por diversas semanas ou mais, as sementes podem liberar flavonoides que evoluem como moléculas mais complexas e essas substâncias podem ser a chave para os benefícios do vinho. Mas a má notícia é que isso não acontece com todos os vinhos, diz o cientista, sugerindo que os grandes benefícios da bebida podem ser restritos a um modo de produção mais tradicional – semelhante ao vinho tinto caseiro. “A maior parte dos vinhos modernos não usa esta técnica durante a fabricação”, afirma o cientista, reforçando a necessidade do consumo moderado.

Perguntas que vou deixar para você: Será que a suplementação de resveratrol realmente é importante?

Minha opinião sobre tudo isso é que a ciência é algo fascinante e não tem nada de errado em se descobrir que podemos estar equivocados sobre condutas ou indicações. Você não pode se culpar por dizer que resveratrol é algo bom, os estudos mostravam isso. O que é imperdoável é o fato dos estudos do Dr. Dipack Das eram falsos e mentirosos. Em ciência o que mais temos que exercitar é a imparcialidade, mesmo eu sabendo que isso é quase impossível. Acreditamos em muitas “verdades” ditas com muita força por irresponsáveis que se dizem pesquisadores ou especialistas em determinadas áreas. Na ciência é muito fácil as coisas mudarem, a tecnologia melhora e permite verificar moléculas que não eram perceptíveis aos métodos.

O que devemos tirar dessa confusão toda sobre resveratrol, mentiras e novidades?

(1) Não acredite em tudo que te contam, busque as fontes, seja sempre crítico e analítico.

(2) Nunca pare de se atualizar, a ciência corre rápido e ficar sem estudar pode fazer você ficar atrasado bem rapidinho.

(3) Busque informações em artigos de boa qualidade, revistas de boa reputação e faça cursos com pessoas sérias e não os POP STARS das redes sociais.

Veja você mesmo sobre a matéria de retratação da universidade.  

http://today.uconn.edu/2012/01/scientific-journals-notified-following-research-misconduct-investigation/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *