Tempo de intervalo entre as séries e os efeitos para a hipertrofia

Por Sylvia Venzke, estudante de educação física

Nossa vida sempre foi muito corrida, temos pouco tempo para tudo. São diversos compromissos e afazeres para serem entregues… Não sei com vocês, mas no meu caso parece que sempre estamos atrasados. Essa é a desculpa ou justificativa dada por muitas pessoas na hora de realizar suas sessões diárias de exercício.

Qual a solução mais imediatista? Reduzir os tempos de intervalo entre as séries de exercício. Fazer isso, além de encurtar o tempo de permanência na academia, aumenta a intensidade da sessão, o que acaba sendo melhor para hipertrofia e para gasto calórico, não é mesmo? Bem, esse seria o pensamento ou justificativa das detenções dos treinamentos rápidos e que dizem promover alta intensidade. Mas será mesmo que isso acontece? O que a ciência nos diz sobre isso?

Trouxe a vocês um artigo que trata exatamente sobre isso: o tempo de intervalo entre as séries e o efeito sobre a hipertrofia. Nesse trabalho, os pesquisadores selecionaram um grupo de mulheres que já treinavam há algum tempo, dividiram-nas em dois grupos e fizeram o experimento: um grupo com intervalo entre séries de um minuto e outro com três minutos.

Leia também Divisão de treinamento na musculação

Os resultados foram bem interessantes e significativos. Sabem por quê? Porque vai de encontro ao que tem sido propagado de treinamento em minutos que geram ganhos exorbitantes. E sabem por quê? Bem, aqui vão alguns dados: no estudo que escolhi, os autores relevaram duas coisas, já que o tempo de descanso pareceu não interferir na capacidade de manter uma execução bem desempenhada. Essas duas coisas foram: tempo sob tensão e volume total de treino.

O artigo traz o tempo sob tensão como uma variável que antecede o volume de treino, ela se baseia no tempo que o músculo fica submetido à carga. E o que isso quer dizer? Quer dizer que quanto mais tensão nós gerarmos no músculo, maior a probabilidade de estarmos criando um ambiente favorável para ele crescer. Assim, quanto mais repetições o indivíduo fizer, mais tempo sob tensão o músculo terá, e também maior será o volume de treino. E os números? No artigo, o tempo sob tensão muscular foi de aproximadamente 30% a mais no grupo que descansou por três minutos, em relação ao que descansou apenas um minuto.

E esse volume de treino, o que ele é? De maneira simplificada, ele é o produto da intensidade da carga vezes o número de repetições, vezes o número de séries (FIGUEIREDO et al., 2017). Ele também é a variável mais fácil de se manipular num treinamento, e a mais comum de usarmos em periodizações. Além disso, alguns autores, como BAKER et al. (1994), apoiam a ideia de que o volume é uma variável importante não só para a hipertrofia, mas também para o ganho de força. A American College of Sports Medicine aponta em uma de suas diretrizes o volume como fator considerável para hipertrofia em indivíduos treinados; e isso vai ao encontro da amostragem utilizada no artigo em questão.

Então parece que volume de treino é tudo, não é mesmo? Bom, tudo não. Mas é um bom ingrediente do bolo. E onde há ligação entre tempo de descanso e volume de treino? Nesse mesmo estudo, os autores utilizaram um exemplo de mulheres treinadas que fizeram rosca direta, com diferentes intervalos de descanso. As que descansaram apenas um minuto e meio tiveram um decréscimo de quase 50% na carga entre as séries realizadas, enquanto as que tiveram três minutos de descanso, tiveram um decréscimo próximo a 30% (JAMBASSI FILHO et al., 2010). Parece pouco 20%? Então aqui vai mais um ponto de vista: quando damos pouco intervalo entre as séries, nós não deixamos nosso músculo se recuperar o suficiente. Assim, temos a impressão de que estamos intensificando o treino e isso trará maiores ganhos.

Até onde estamos debatendo, o volume de treino parece ser mais importante do que a sensação de intensidade no treino. E por que sentimos essa “intensidade”? Segundo MOHAMED et al. (2011), quando acabamos uma série acontece a dissipação de íons de hidrogênio e outros metabólitos, como lactato, principalmente; eles são originados do estímulo que proporcionamos ao músculo no exercício. Então, se não dermos tempo suficiente para ocorrer essa dissipação, não conseguiremos realizar o mesmo número de repetições com a mesma carga. Logicamente, se retornarmos a nossa conta de volume (intensidade da carga x número de repetições x número de séries) ela terá diminuído. Sendo assim, a intensidade que sentimos, é muito mais uma Percepção Subjetiva do Esforço, do que propriamente o “estrago” causado ao músculo, que leva a hipertrofia.

E as outras técnicas de intensificação do treino, para otimizar o tempo dentro da academia? Dropsets, supersets…? Em suma, todas elas giram em torno de uma grande estrela: o volume total de treino. Segundo FIGUEIREDO et al. (2017), há ocorrência de diferentes fatores na periodização de um treino, desde as técnicas de intensificação até a ordem dos exercícios escolhidos. Mas todas geralmente voltam-se para o principal ingrediente do bolo: o volume.

Portanto, levo-me a crer que o intervalo de descanso maior é soberano ao intervalo menor, pois resulta em um maior volume de treino. E o que isso quer dizer? Por exemplo: é como se a hipertrofia fosse a lâmpada, o músculo fosse o fio, o tempo de descanso maior fosse um plug-in, e a tomada fosse o volume. O tempo de descanso maior é a ferramenta que leva o músculo a um volume de trabalho maior, que leva até a hipertrofia. É claro, volume não é tudo, mas como disse: é um bom ingrediente do bolo. Precisamos de vários ingredientes para fazer um bolo, certo? Se pensarmos assim, precisamos de vários fatores para gerar a hipertrofia. Devemos sempre buscar a totalidade para um resultado melhor. Mas começarmos por um ingrediente básico e principal pode fazer toda a diferença na hora de periodizarmos um treino e tornarmos ele acessível às pessoas.

Então será que devo esquecer a história de treinos que visam otimizar o meu tempo? Bom, você escolhe: ou otimiza seu tempo ou otimiza seu músculo.

REFERÊNCIAS

BAKER, D.; WILSON, G.; CARLYON, R. Periodization: The effects on strength of manipulating volume and intensity. J. Strength Cond. Res., v. 8, p. 235-42, 1994.

DRINKWATER, E.J., LAWTON, T.W., LINDESELL, R.P., PYNE, D.B., HUNT, P.H.; McKENNA, M.J. Training leading to repetition failure enhances bench press strength gains in elite junior athletes. Journal of Strength and Conditioning Research 19, 382-388. 2005.

FIGUEIREDO, V.C.; SALLES, B.F.; TRAJANO, G.S. Volume for Muscle Hypertrophy and Health Outcomes: The Most Effective Variable in Resistance Training. Sports Med. 2017.

JAMBASSI FILHO, J.C.; GURJÃO, A.L.D.; CECCATO, M.; GONÇALVES, R.; GALLO, L.H; GOBBI, S. Effects of different rest intervals between sets on muscle performance in the leg press exercise in untrained elderly women. Brazilian Journal of Sports Medicine 18, 224-22. (In Portuguese: English abstract) 2012.

MOHAMAD, N.I.; NOSAKA, K.; CRONIN, J. Maximizing Hypertrophy: Possible Contribution of Stretching in the Interset Rest Period. Strengh Cond J, 2011;33(1): 81-7.

MONTEIRO, W.; SIMÃO, R.; FARINATTI, P. Manipulação na ordem dos exercícios e sua influência sobre número de repetições e percepção subjetiva de esforço em mulheres treinadas. Rev Bras Med Esporte, Vol. 11, Nº 2 – Mar/Abr, 2005.

SCHOENFELD, B.J; OGBORN, D.; KRIEGER, J.W. Dose-response relationship between weekly resistance training volume and increases in muscle mass: A systematic review and metaanalysis. Journal of Sports Sciences, 2016.

FILHO, J.C.J.; GOBBI, L.T.B.; GURJÃO, A.L.D.; GONÇALVES, R.; PRADO, A.K.G.; GOBBI, S. Effect of Different Rest Intervals, between Sets, on Muscle Performance during Leg Press Exercise, in Trained Older Women. Journal of Sports Science and Medicine 12, 138-143. 2013.


Quer fazer um curso online sobre Método Russo de Treinamento? Clique aqui!

Dr. Andre Lopes

Professor universitário - escritor - cientista com mais de 35 artigos publicados nacionais e internacionais, autor de 2 livros e ministrante de mais de mil cursos de extensão, especialização e certificações internacionais.

TREINAR MUITO FAZ SER RUIM!

You have successfully subscribed to the newsletter

There was an error while trying to send your request. Please try again.

Blog ProFitBox will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.