Função Cognitiva e Exercício Físico

Olá tudo bem?

Antes de tudo precisamos entender como funciona a cognição e seus mecanismos. Então antes, vejamos alguns conceitos.

O hipocampo é uma estrutura localizada nos lobos temporais do cérebro, que são os relacionados com a memória. Essa mesma estrutura, o hipocampo, tende a ser mais responsiva a plasticidade neural induzida pelo exercício físico. Dentre outras funções, pode proporcionar adaptações em outros aspectos como em neurotransmissores (serotonina e dopamina) e receptores.

Mas o que é a neurogênese?

A neurogênese é definida como um processo de formação de neurônios a partir de células precursoras. Este processo ocorre pela diferenciação de células-tronco e progenitoras em células neuronais. O balanço entre formação e morte de neuronal é modulado por diversos fatores de crescimento, como o BDNF (Brain-derived neurotrophic factor), e pode sofrer influência do estado metabólico do organismo.

E-book Metabolismo Energético e Exercício Físico: Mitos e Verdades

OK, mas como o exercício físico pode melhorar a função cognitiva?

Ainda não se tem e possivelmente jamais teremos uma resposta única. Diversos mecanismos têm sido propostos para esclarecer esta questão e, possivelmente, muitos estão certos, devido ao caráter multifatorial da cognição.

Contudo, um importante fator de transcrição envolvido na sinalização da adaptação muscular, a PGC-1α é considerada peça chave na sinalização da neurogênese induzida pelo exercício e, por isso, tem sido muito estudada.

Além do exercício veja também alimentos que ajudam as funções cerebrais

 

Através de neuroimagem é possível demonstrar a eficácia da atividade física na melhora da saúde cognitiva ao longo de nossa vida. Estudos científicos apontam que o condicionamento aeróbico retarda a perda de tecido cerebral relacionada à idade, durante o envelhecimento e melhora os aspectos funcionais envolvidas no controle da cognição.

Já se tem na literatura que, indivíduos mais ativos ou mais aptos são capazes de alocar maiores recursos de atenção para o meio ambiente e são capazes de processar informações mais rapidamente desta forma, aumentando as estratégias cognitivas, permitindo responder de forma eficaz e mais rápida a um desafio imposto com um melhor rendimento no desempenho da tarefa.

 

Mas e a alimentação, também influencia?

Em particular, alguns fatores dietéticos compartilham mecanismos similares com o exercício e, em alguns casos, podem complementar a ação do exercício. Portanto, o exercício físico e uma dieta balanceada se tornam uma estratégia não invasiva e eficaz para combater distúrbios neurológicos e cognitivos.

Quer saber mais sobre o assunto? Acesse o site Isulbra

 

Referências:

The Influence of Exercise on Cognitive Abilities

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3951958/

Influência do exercício físico na cognição: uma atualização sobre mecanismos fisiológicos

http://www.scielo.br/pdf/rbme/v20n3/1517-8692-rbme-20-03-00237.pdf