Alice no país das maravilhas e sua carreira profissional

Alice no país das maravilhas, meu amigo imaginário e sua carreira.

Pode até parecer estranho, mas o “país das maravilhas”, o filme onde Alice, uma menina diferente para seu tempo, vai para um mundo “maluco” e cheio de surpresas e passa a viver um monte de analogias fantásticas sobre a sua vida real pode estar acontecendo na vida de alguns profissionais. Na estória Alice bebe chá com a lebre maluca, encontra a lagarta, fala com o gato, que não é o de botas e faz um monte de aventuras. Ela enfrenta o cachorro guardião, mas fica amiga dele e do chapeleiro maluco, vence o dragão, lhe cortando a cabeça e por fim ajuda a rainha do bem a retornar ao trono ao eliminar a rainha  má, cabeçuda.  

Durante os 6 primeiros anos de minha vida eu fui sozinho, primeiro filho, primeiro sobrinho, primeiro neto. Muito legal se pensar que ganhava bastante atenção de pessoas que não eram nem parecidas comigo e muito menos faziam coisas que eu gostaria realmente de participar. Então conheci minha imaginação, e junto dela veio Junior (minha mãe até hoje lembra disso). Ele era um amigo imaginário com quem eu brincava e me divertia nas tardes no quintal. Sem dúvida Junior me ajudou muito durante os 6 primeiros anos de vida a ocupar meu tempo, a escutar minhas coisas e preencher de certa forma uma solidão assistida.

Acredito que tudo isso possa ser uma boa analogia sobre redes sociais e tudo que estamos vivendo hoje no mundo profissional. Estamos bem virtuais.

Isso é ótimo também, mas quanto disso tudo não passa de uma fantasia ou apenas um alimento para nossa imaginação?

Quem são os verdadeiros contatos que você tem? Quantas pessoas realmente conhece? Quantos cursos e conferencias você foi nos últimos 12 meses? Mas claro que me refiro as conferencias e cursos bons, não esses que geralmente você faz, com pessoas que nunca vivenciaram nada ou publicaram nada.  Você conhece eles, parecem os personagens do país das maravilhas, um bando de maluco que vem e vai dentro de um lugar chamado mundo virtual.

Pergunto para você, já foi em alguma conferência realmente importante e com profissionais realmente gabaritados de sua área? Sabe a importância disso?

Um editorial da Cell.com comenta exatamente sobre isso… trago ele para vocês traduzido. O link original é esse (link Cell).

As conferências oferecem um tipo diferente de experiência em rede do que apenas enviar um e-mail, conversar no Twitter ou mesmo se conectar via Skype. Há oportunidades para reuniões ocasionais, mas também para conhecer seus pares em um nível mais íntimo, encontrando-se face a face ou compartilhando uma experiência única em uma excursão de conferência.

Para alguns, esse tipo de interação próxima pode ser intimidante, mas as recompensas a longo prazo são ilimitadas. Você já pode ter mais de 500 amigos no LinkedIn ou ter dúzias de colegas no Research Gate, mas seria um erro subestimar o valor das experiências especiais de ligação que podem ocorrer em conferências, especialmente em reuniões menores em locais remotos.

Estes são os momentos para criar um conselho de conselheiros e desenvolver relacionamentos que podem ter um tremendo impacto não só no seu trabalho imediato, mas também na sua carreira a longo prazo.

Faça alguma lição de casa antes da conferência, examinando a lista de palestrantes e participantes. Identifique as pessoas que você realmente deseja conhecer e considere conversar com antecedência com algumas delas. Mas lembre-se, se você marcar reuniões, certifique-se de estar preparado com perguntas e/ou sugestões relevantes para o trabalho da pessoa, não gaste o tempo dos outros com bobagens.

Faça uso das mídias sociais para chegar aos participantes do evento. Isso pode ser feito antes com uma mensagem pessoal ou elogiando um orador em suas palestras no evento.

Maximize o tempo nas pausas de café. Se você estiver no meio de uma discussão muito produtiva no final da pausa para café, considere pular a próxima palestra para continuar (desde que seu parceiro de discussão faça o mesmo).

Esteja aberto a conversas reais. Não basta empurrar para sua própria agenda. Fique aberto a outros pontos de vista.

Quando você vê essa pessoa que você sempre quis falar, pegue a primeira oportunidade para conversar. Nunca pense que haverá outras chances.

Pratique introduções rápidas e eficazes. Lembre-se de que os líderes de pensamento terão tempo limitado para conversar, e eles apreciarão se você lançar sua mensagem rapidamente.

Mesmo se você não é o tipo de festa, considere se juntar se houver oportunidades para bebidas após o evento. Todo mundo ficará muito mais relaxado, e você pode ter uma chance de falar com uma das pessoas que você perdeu antes. Mas não seja muito chato, respeite os momentos e tempos de cada sujeito. Festas tem o propósito de relaxar e não ficar só falando de trabalho.

Nunca assuma que as pessoas tenham uma boa memória para os nomes. Distribua cartões de visita para ajudar as pessoas a se lembrarem de você ou mandarem um e-mail rápido.

Importante, realmente ouça o que as pessoas têm a dizer. Isso pode ser particularmente difícil se você estiver encontrando um dos seus “heróis de todos os tempos” pela primeira vez. Basta lembrar de ficar calmo e aproveitar o momento.

Então, gostou das dicas? Vamos começar a desenvolver a sua rede de contatos importantes na sua área de atuação? Quem sabe não teremos surpresas boas chegando ao aumentar seus contatos.

Vamos começar? Vamos deixar a Alice e o Junior de lado para darmos prioridade para a realidade produtiva.

Compartilhe nossos posts para que as pessoas entendam sobre tudo que falamos no blog, conhecimento só vale quando compartilhado!

Abraço

Att. Dr. Andre Lopes

PhD em Ciências do Movimento Humano – UFRGS

From Cell Reports editor Shawnna Buttery

http://crosstalk.cell.com/blog/the-value-of-networking-in-science