Alongamento: você tem feito?

Tenho visto por aí muita gente deixando o alongamento de lado. Logo ele, que deveria ser uma prática diária na vida de todo mundo – até mesmo daqueles que não fazem nenhum tipo de treinamento.

Alongar faz bem!  

Vou explicar porquê: nossa musculatura se contrai durante as ações normais do cotidiano e, muitas vezes, acaba encurtando por causa da má postura. E não estou falando especificamente dos elementos contráteis, mas sim dos não contráteis! Fazer alongamento reduz o estresse muscular causado por trabalhos repetitivos e também deixa a fáscia muscular (elemento não contrátil) menos tensa e menos limitadora de movimentos.

A prática sistemática de alongamento mantém os músculos fortes. Preservar a amplitude articular e muscular ajuda a conservar os sarcômeros que, por sua vez, auxiliam na produção de força.

Leia também O que você precisa saber sobre hipertrofia

Diferenças entre alongamento e flexibilidade

Muitas pessoas confundem os termos, achando que são sinônimos. Só que não…

Flexibilidade é uma capacidade física do corpo, influenciada pela idade, sexo, individualidade biológica, temperatura ambiente, etc. Ela se refere aos maiores arcos de movimentos possíveis nas articulações envolvidas e depende das estruturas que a compõem.

Conforme KISNER e COLBY (1998), “para que haja uma boa amplitude de movimento, que varia de acordo com a necessidade de cada um, é preciso haver mobilidade e elasticidade adequada dos tecidos moles que circundam a articulação (músculos, tecido conectivo, tendões, ligamentos e pele), vindo a favorecer o desempenho da maioria das atividades ocupacionais e recreativas, com amplitudes de movimentos sem restrições e sem dor”.

Já alongamento é um conjunto de técnicas usadas para promover a manutenção da amplitude articular normal. Ele favorece a boa postura e a coordenação motora. No caso de quem pratica atividade física, por exemplo, alongar antes dos exercícios não previne lesões, mas promove aquecimento e é o início do processo para se alcançar a temperatura e a preparação fisiológica necessárias para a parte principal do treinamento.

Além disso, é importante fazer o trabalho para ganho de flexibilidade, porque quanto maior for a amplitude de movimento, menos chances de rompimentos de estruturas ligamentares e musculares.

Mas lembre-se que a flexibilidade é diferente do alongamento. Flexibilidade é valência física treinável, alongamento é o meio de aumento da valência.  

Entendeu a diferença entre os dois?

Passa no site do Isulbra para conhecer nossos novos cursos! Um deles é sobre o Método Russo de Treinamento! Clique aqui para saber mais.

Voltando a falar sobre flexibilidade, veja esse resumo com os quatro tipos de métodos de trabalho:

É uma pena, mas ainda há quem defenda que alongamento não é necessário…

Para prevenção de lesões tenho certeza que não, mas e como um meio para alcançarmos melhores níveis de flexibilidade?

Alongar-se faz bem à saúde independentemente da idade e do condicionamento físico. O importante é realizar do jeito certo, respeitando a flexibilidade e estrutura muscular de cada um.

Att. Dr. Andre Lopes – PhD em Ciências do Movimento Humano