Quantas vezes por semana treinar?

Quando o assunto é exercício físico, não existe resposta pronta. Como eu já disse várias vezes aqui no blog, cada caso precisa ser avaliado individualmente por um profissional habilitado.

Mas vamos lá, hoje resolvi escrever sobre algo que ainda gera muitas dúvidas tanto na graduação quanto na pós-graduação. Sempre me perguntam… Afinal, quantos dias de treino são indicados na semana?

Acreditem, isso é polêmico, então abordarei o caso de maneira simples e direta. Se fizer sentido para você, use no seu dia a dia.

Leia também Tempo de intervalo entre as séries e os efeitos para a hipertrofia

Ao iniciar um novo projeto, seja ele qual for, a frequência das atividades é um ponto muito importante. A pessoa está motivada e quer entrar em contato com as novidades todos os dias. Portanto, não dê um banho de água fria nela.

Vou explicar: organize o treinamento alternando exercícios e atividades que mantenham o sujeito motivado e, principalmente, engajado no processo. Por exemplo, dá para indicar exercícios corretivos (para ensinar) e aeróbios intercalando com os exercícios de musculação.

Para os iniciantes, três dias de treinamento de musculação alternados com atividades recuperativas, como as aeróbicas, acabam sendo suficientes para promover as adaptações neurais que o corpo precisa.

Essa é uma fase de descobertas para o aluno e também para você, professor. Procure saber as limitações e desejos dele, dê retornos positivos elogiando e fazendo correções sempre que for possível e nunca faça só críticas sobre os processos.

Lembre-se que, para ele, tudo é novo.

Leia também O que você precisa saber sobre hipertrofia

Existem alternativas, mas acima de tudo é importante saber que, de maneira geral, não há fórmulas perfeitas. Cada pessoa busca um objetivo diferente. E mais, cada metabolismo reage de uma forma diferente aos exercícios.

É preciso buscar um equilíbrio entre o que o aluno quer e o que de fato precisa.

E, claro, rotina intensa de treinamentos intervalados é viável, mas precisa ser mantida sem desgaste excessivo e dores musculares muito fortes. Isso pode gerar má impressão a respeito da atividade e, assim, reduzir a frequência do aluno.

 Att. Dr. Andre Lopes – PhD em Ciências do Movimento Humano


Quer aprender a fazer palestras e montar aulas? Entre no site do Isulbra e conheça meu curso online “Como fazer palestras matadoras?”